sábado, 12 de dezembro de 2015

Mito do Google Chrome


Pra quem ainda acredita no mito da Memoria consumida pelo Google Chrome veja como o firefox é pior ainda!!!! Apos testes e testes de consumo o Chrome ganhou em consumo menor que a metade do Firefox (Mozilla), então espero que tenha tirado suas duvidas.

Veja o antes de abrir o Mozilla e depois de abrir onde deixou o PC super lento com seu alto consumo de Memoria.

Para melhor entender faça o teste com o Youtube, veja qual dos navegadores carregar o vídeo mais rápido.




sábado, 27 de junho de 2015

Computadores que Aprendem (Cognitive Computing): Evolução ou “Fim dos Tempos”?




Por DG Soluções em TI, 27 de junho de 2015



Inteligência artificial (I.A.) está sendo usada para desenvolver as capacidades humanas. Eu não sei quanto a vocês, mas a primeira coisa que me vem a mente quando alguém fala “Inteligência Artificial’ é: “SKYNET!”



Isso mesmo, aquela SKYNET do filme “Exterminador do Futuro”. Aquela que destrói quase toda a humanidade exceto por algumas poucas pessoas… bem, vocês provavelmente sabem a história :)

Imagem via Shutterstock

                             Imagem via Shutterstock


Após essa primeira observação, vamos desenvolver o tema né? Porque I.A está mais perto do que a maioria de nós pode imaginar.Esse termo foi definido em 1955 pelo cientista em computação John McCarthy. Basicamente, a ideia da I.A. é fazer computadores inteligentes, que tenham capacidades cognitivas (em inglês, cognitive computing) similares as do nosso cérebro. O objetivo é que os computadores possam ampliar a capacidade humana de pesquisar e refinar milhares de informações para nos ajudar em nossas decisões.



Desde meados dos anos 2000, a IBM vem desenvolvendo uma solução de cognitive computing chamada “Watson”. É uma solução única capaz de entender a linguagem humana e transforma-lá em uma forma compreensível para o computador, que pode assim realizar a pesquisa nos diversos documentos públicos existentes: livros, artigos acadêmicos, jornais e enciclopédias.



Vamos falar de uma forma mais simples: você vai poder “perguntar” algo para o “Watson” e ele irá te “responder”. Em 2011, Watson participou de um programa de perguntas e respostas na TV americana, chamado “Jeopardy!”, pois a IBM queria demonstrar as suas capacidades para o mundo, e o Watson não somente ganhou como simplesmente “atropelou” os outros dois concorrentes, que eram os maiores vencedores da história do programa.



Atualmente, o “Watson” já está sendo usado em diferentes indústrias, tais como de serviços financeiros, relacionamento com clientes e saúde. Você pode, por exemplo, ler sobre como a computação cognitiva está ajudando nas pesquisas para o tratamento do câncer.



Em uma TED talk realizada em Maio de 2014, o inventor e futurista Ray Kurzweil falou sobre a evolução do cérebro humano e de como os computadores irão impulsionar as nossas capacidades cerebrais, vale a pena conferir.


Mas, nem tudo são flores. E não é diferente com a inteligência artificial.



Recentemente, o Professor Stephen Hawking e o empreendedor Elon Musk falaram ao público sobre as suas preocupações com a inteligência artificial. O primeiro comentou que as máquinas podem se auto-reconfigurar e crescerem em uma velocidade superior aos humanos e nos deixarem para trás, e o segundo expressou suas considerações a respeito das regulamentações para esse campo de pesquisa.



Alguns especialistas discordam do ponto de vista de Hawking, argumentando que as máquinas sempre terão um “gap de humanidade”. Por isso, Inteligência Artificial em conjunto com os humanos sempre será mais poderosa do que sozinha e é isso que previne essa explosão em I.A mencionada por Hawking.



Eu estou absolutamente convencido de que essa tecnologia fará parte do nosso estilo de vida muito em breve. A combinação de I.A com big data irá mudar o mundo e o número de opções parece ilimitado.



    E você, o que acha sobre computadores que aprendem? Evolução ou “Fim dos Tempos”? Deixe seu comentário abaixo!

Carros autônomos do Google já são encontrados em vias públicas nos EUA

Por DG Soluções em TI

27 de julho de 2015



 



Se alguém ainda tinha alguma dúvida em relação aos veículos que se auto conduzem sem a necessidade de um ser humano, saiba que modelos deste tipo de automóvel já estão circulando pelas estradas do Vale do Silício, em MountainView, que é justamente onde se localiza a sede do Google, que é a empresa por trás deste veículo em questão. 

Para que este tipo de veículo pudesse circular em via pública, as autoridades da Califórnia exigiram alguns cuidados por parte do Google, o mais importante deles é em relação a velocidade máxima permitida de apenas 40 Kh/h. "Durante esta fase do nosso projeto, teremos 'motoristas de segurança' à bordo com acesso a um volante, acelerador e freio que lhes permitem tomar o controle, se necessário", informou o Google 

A gigante das buscas pretender comercializar o pequeno carro elétrico GoogleCar até 2020, e para aperfeiçoar todos os seus recursos a companhia terá muito tempo para realizar os diversos testes necessários para que o carro consiga uma melhora na tecnologia em relação a enfrentar obstáculos e também ao ajuste de velocidade.


O que faz um operador de call center ativo


Por DG Soluções em TI em 27 de junho de 2015









Seu telefone já tocou, no meio da tarde, e uma voz muito alegre, do outro lado da linha, já lhe ofereceu algum produto? Se sim, você já teve contato com um operador de call center ativo! Esse profissional trabalha durante seis horas diárias, na frente de um computador e com um telefone em seus ouvidos, e é responsável por entrar em contato com clientes diversos, oferecendo-os diversos tipos de produtos ou serviços.

Muitas pessoas têm grande vontade de trabalhar no ramo de vendas, mas a timidez atrapalha o contato direto com os clientes. Para elas, o telemarketing ativo é uma solução perfeita! Esse trabalho exige paciência, cordialidade, boa comunicabilidade, trabalho em equipe, concentração e interação com computadores. Tem a vantagem de geralmente interagir com um tipo de consumidor muito específico, que já esta cadastrado na empresa, e que potencialmente tem interesse pelo produto oferecido, o que algumas vezes é sinal de venda garantida.

Salário inicial
Para um profissional sem experiência, em início de carreira, varia entre R$ 700,00 e R$ 1.000,00, para uma jornada de seis horas diárias. Mas profissionais qualificados com cursos específicos para determinados ramos do comércio podem ter salários iniciais entre R$ 1.500,00 e R$ 2.000,00.

O que estudar?
Exige-se o Ensino Médio completo (ou cursando o último ano), e várias empresas ofertam cursos para a área. Uma dica é escolher um ramo do comércio e procurar um curso voltado para ele.





O que faz um supervisor de call center


   

Em português call center, literalmente, significa centro de ligações, os quais são, nada mais, nada menos, que escritórios especializados em atendimento ao público através de chamadas telefônicas.

O supervisor de call center é o profissional responsável por liderar uma equipe de operadores de call center, os quais atendem chamadas telefônicas de clientes que ligam em busca de informações ou oferecem reclamações sobre um determinado serviço.

Outras vezes, este profissional monitora uma equipe de operadores de call center responsáveis por promoverem o produto de uma empresa, tendo assim que atingir metas de venda a cada mês.

Os requisitos mínimos para se tornar um Supervisor de Call Center são: Ensino Médio completo, noção em informática (boa digitação é fundamental) e experiência comprovada em call center.


segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Mito ou Verdade: deletar a pasta de um programa ao invés de desinstalá-lo causa problemas?

O DGSTI começa mais um artigo Mito ou Verdade, e certamente a dúvida desta vez abordada é muito comum entre os usuários: deletar a pasta de um programa ao invés de desinstalá-lo causa problemas?
Sim, apagar a pasta de um programa sem desinstalá-lo pode acarretar problemas, desde pequenas falhas de atalho até mais graves que envolvem o registro do Windows e arquivos compartilhados. Entenda por quê.

É tudo registrado
A principal razão para eliminar completamente um software de um computador é o registro do Windows. Para quem não sabe, trata-se de um banco de dados que armazena configurações e opções de todos os componentes de hardware e dados sobre quase todos softwares instalados e configurações de usuários do sistema.
Com o tempo, mais e mais informações são adicionadas ao registro, muitas delas inúteis. Isso o sobrecarrega e pode deixá-lo lento. Ao apagar a pasta de um programa sem desinstalação, ela pode ser removida para o acesso do usuário, porém o registro e alguns arquivos de configuração (como os DLL) permanecem no sistema. Em outros casos, alguns arquivos podem ficar “presos” e não conseguem ser removidos. Pior, se tentar desinstalar depois, não será possível.

Programas “parceiros”
Hoje é muito comum que programas diferentes “conversem” entre si — a Adobe faz muito disso, por exemplo. Ao apagar a pasta de um, outros podem ficar “perdidos”, eles não sabem que um companheiro foi deletado e ficam até mesmo inutilizados.
Cuidado: apagar um software sem desinstalá-lo é como varrer sujeira  para debaixo do tapete.Outro tipo de associação é de arquivos, que indica determinado programa como padrão para abrir um tipo específico de arquivo. Ao apagar (e não desinstalar) tal software, o Windows acha que ele ainda existe e vai tentar usá-lo pra executar tal extensão. Problemas menos graves incluem atalhos que ficam perdidos pelo sistema, às vezes no Menu Iniciar, outras na Área de trabalho.
Em outras palavras: imagine o Windows como uma casa. Apagar um programa sem desinstalá-lo é como varrer sujeira para debaixo do tapete. Pode até esconder, mas os problemas vão aparecer cedo ou tarde.

Desinstalar tudo?
Não exatamente. Softwares mais simples, por exemplo, não adicionam informações ao registro do Windows e funcionam apenas com seus arquivos executáveis. Nesses casos, é possível apenas excluir a pasta deles. O raciocínio é simples: se houve instalação, deve haver a desinstalação apropriada.
Então, nada de apagar pastas a torto e direito. Primeiro, acesse o Painel de Controle do Windows, vá em "Adicionar/Remover Programas" e desinstale o que você não quer mais. Se tal software não estiver listado, calma!
Os desinstaladores dos programas geralmente se encontram na mesma pasta que está o arquivo executável. Se existir uma pasta do programa no Menu Iniciar, verifique se ele está lá. Caso esteja, selecione-o e siga as instruções. Se não, encontre o link do programa, clique com o botão direito e escolha “Propriedades” e lá encontre o caminho. Vá até esse caminho no Windows Explorer e na pasta principal procure algo como “Uninstall”. Se encontrar, execute e siga as instruções.
Não é comum, mas há programas muito teimosos que exigem uma operação de guerra para serem removidos. Então leia o artigo que explica como deletar softwares manualmente.

Programas que tiram tudo
É comum que a pasta onde um software estava instalado permaneça no sistema mesmo depois de usar o desinstalador corretamente. Nesse caso, deletar a pasta é recomendável, uma vez que o principal já foi excluído.
O que você pode fazer também é usar um programa desinstalador. São programas que, além de desinstalar softwares, procuram também qualquer sobra no sistema para não deixar nenhum rastro. O campeão disparado de downloads é o Revo Uninstaller, uma das opções mais eficientes e seguras. Não deixe de ler também este artigo que ensina você a usar o Revo.

O Revo, um dos melhores desinstaladores.
Outras boas opções de desinstaladores são FineUninstall, MyUninstaller, Add/Remove Cleaner, Ashampoo Magic Uninstall, Free Uninstaller, Handy Uninstaller e Uninstall Manager Pro. Se você não sabe qual é melhor para você, o DGSTI ajuda com este artigo sobre os melhores desinstaladores disponíveis no Portal.

Limpeza total
Imagine que desinstalar um programa é como fazer a faxina pesada em uma casa para tirar as piores sujeiras. Depois é a hora de conferir tudo para ver o que sobrou. Por isso que você também deve usar um programa para limpar o computador. Ele não somente complementa a desinstalação de um software, mas também remove todos os tipos de arquivos inúteis que se acumulam com o tempo.
Sem dúvida, a melhor recomendação do DGSTI é o CCleaner, ótimo para remover arquivos DLL, temporários e também o registro do Windows. Aproveite e leia também este tutorial que ensina a usar o CCleaner passo a passo. Ele é capaz, inclusive, de remover entradas erradas na lista “Adicionar/Remover” no Painel de Controle. Isso acontece algumas vezes, quando um programa, mesmo depois de desinstalado, insiste em ficar naquela lista.

O CCleaner, excelente limpador para o Windows.